Pesquisa e recursos hídricos I

O desenvolvimento de pesquisa pelo aluno de pós-graduação é uma experiência que molda o seu conhecimento e depende muito do orientador, pois este pode dar ao iniciante na pesquisa um caminho construtivo, de dependência ou nenhum dos anteriores. O caminho construtivo é onde o aluno caminha com suas próprias pernas sem a dependência do professor no final do programa.
Como mencionei nas semanas passadas o que diferencia um pesquisador de um técnico é a capacidade deste último em escolher e definir o que pesquisar, enquanto que para o técnico é proposto o problema. A escolha da pesquisa é um livro aberto, principalmente no início do programa, quando o curso solicita um projeto para entrar no programa de pós-graduação. Isto nem sempre é a melhor fora de avaliar, já que uma das tarefas do programa é ensinar ao aluno a ser pesquisador. O que normalmente ocorre é que o programa avalia a capacidade do aluno de propor dúvidas para serem desenvolvidas.
Nesta semana iniciamos alguns textos sobre potenciais aspectos de pesquisas em Recursos Hídricos, não tenho a pretensão de ser extensivo numa área interdisciplinar, mas apontar algumas linhs gerais e algumas perguntas que necessitam ser respondidas pela pesquisa nas áreas que de alguma forma conheço.
O que justifica uma pesquisa? Esta é uma pergunta que deixa o pretende a pesquisador fragilizado e coloca várias dúvidas no seu caminho. É importante ter claro que uma pesquisa se justifica, de forma geral por um dos aspectos genéricos seguintes:
1. Contribuição de conhecimento em processos, métodos ou fundamentos. Por exemplo, um método para estimar evapotranspiração que considere determinadas variáveis adicionais, importantes para diferentes situações; um método que represente o escoamento em grandes áreas de inundações que utilizem dados de satélites; um modelo de otimização de funcionamento c0njunto de barragens e uso de previsão de vazão; etc. No caso dos fundamentos geralmente o seu desenvolvimento esta dentro do âmbito da pesquisa básica;
2. Contribuição a medida de variáveis e processos: geralmente relacionada a experimentação de campo ou laboratório onde pode-se desenvolver meios para estimar determinadas variáveis ou parâmetros de determinados fenômenos. Por exemplo, a chuva da Amazônia pode estar sendo subestimada porque os postos pluviométricos se encontram ao longo do rio, onde tende a chover menos pelo efeito climático da superfície livre de água; novas formas de medidas de turbulência; etc
3. Contribuição ao conhecimento específico de funcionamento dos recursos hídricos e ambiental de determinadas áreas ou problemas específicos relacionados com determinadas áreas. Por exemplo, como lidar com o mexilião dourado que veio do Sul da Ásia no casco dos navios e não encontrou predador na América do Sul, se alastrando-se pelos rios, gerando problemas nas turbinas, condutos e etc. O mexilião é um molusco bivalve, aquático que gruda nos equipamentos sendo necessária sua limpeza. O custo de parar uma turbina de 700 MW para limpeza é alto.
Uma pesquisa pode englobar um ou mais das justificativas acima. A pesquisa que você está pensando ou que está se desenvolvendo se encaixa num dos perfis acima? O que você acha?
Outra questão importante esta relacionada com o nível da pesquisa: conclusão de curso, mestrado, doutorado ou mesmo pós-doutorado. As mesmas não se diferenciam pela quantidade de trabalho, mas pelo nível de contribuição. Os programas de pós-graduação que não possuem mestrado tendem a ser mais rigorosos e exigirem mais no mestrado, pois não possuem o nível seguinte. No entanto, o mestrado deve ser dimensionado para um máximo de 1 ano e deve ter objetivo muito mais tecnológicos e associados ao terceiro item acima, enquanto que o doutorado por dispor de mais de tempo > 2 anos se encaixa mais no perfil combinado dos dois primeiros.
Na próxima semana vamos continuar discutindo o assunto com alguns históricos, como a preparaçãon do coumento de diretrizes estratégicas do Fundo de Recursos do CTHIDRO em 2001.

About Prof. PhD Carlos E. M. Tucci

Engenheiro civil, MSc, PhD, professor aposentado do IPH-UFRGS, sócio-fundador da Rhama Consultoria Ambiental. Autor de mais de 300 artigos científicos, livros, capítulos de livros. Experiência de mais de 40 anos na área, com atuação junto a empresas e entidades nacionais e internacionais como: Unesco, Banco Mundial, BID, ANEEL, ANA, Itaipu, entre outros. Premiado em 2011 pela International Association of Hydrological Sciences.

2 Comments

  1. Weeberb

    Olá Tucci!

    a minha pesquisa não se encaixa nos perfis mencionados por você. Estou pesquisando – Drenagem urbana. Mas, você conseguiu com poucas palavras, fazer uma breve orientação sobre como justificar determinada pesquisa. Gostei muito dos seus exemplos.

    Abraços,
    Weeberb

Deixe uma resposta para Ridalto Vaz Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *