Ecohidrologia

Escolhemos esta semana um tema pouco conhecido que reúne o entendimento dos processos hidrológicos e ecológicos que ocorrem na água. É chamado de “ecohidrologia”. Estas duas áreas, que são frequentemente pesquisadas de forma fragmentada, na realidade possuem forte inter-relação não-linear. Pois, de acordo com as variáveis hidrológicas como a precipitação, evapotranspiração e vazão, entre outras, influenciam os processos ecológicos nos sistemas aquáticos e terrestres. Da mesma forma os processos ecológicos podem alterar o ciclo hidrológico.

O clima de uma região depende da umidade do solo. Este é resultado da combinação do tipo de solo, vegetação, infiltração e da própria precipitação. Quando qualquer um dos componentes dos sistemas que interagem se altera, o ciclo muda para outro estágio dinâmico. Por exemplo, a redução interanual de precipitação pode reduzir o nível dos rios e o lençol freático, alterando a vegetação, que mudará no final o clima regional.

A principal externalidade é o homem, com sua ação antrópica. O conhecimento destes processos e a sua capacidade de predizer efeitos são ferramentas fundamentais da gestão moderna dos recursos hídricos de uma bacia hidrográfica. Portanto, o desenvolvimento sustentável dos recursos hídricos depende da habilidade em manter os processos de circulação da água e nutrientes, juntamente com o fluxo de energia na escala da bacia. Existem duas escalas principais que são a temporal e a espacial.

Os conceitos da ecohidrologia se baseiam em três princípios:

(a) Estrutura:

integração da bacia, sua biota em uma entidade – superorganismo

(b) Foco

Entender a evolução da resistência e recuperação do stress dos ecossistemas: entender com os ecossistemas podem resistir ao antropismo;

(c) Metodologia

Uso da propriedade dos ecossistemas como ferramenta de gestão pelo uso da biota para controle dos processos hidrológicos e vice-versa, pelo uso de hidrologia para controlar a biota.

 

A UNESCO no seu Programa Hidrológico Internacional (PHI) e do Homem e Biosfera (MAB) definiu os conceitos de ecohidrologia. Em 2006 o Comitê Científico propôs seis grupos de trabalho nas seguintes áreas:

  • Zonas costeiras;
  • Avaliação dos impactos das mudanças globais nos sistemas aquáticos;
  • Ciências sociais;
  • Educação e capacitação;
  • Estudos de casos.

About Prof. PhD Carlos E. M. Tucci

Engenheiro civil, MSc, PhD, professor aposentado do IPH-UFRGS, sócio-fundador da Rhama Consultoria Ambiental. Autor de mais de 300 artigos científicos, livros, capítulos de livros. Experiência de mais de 40 anos na área, com atuação junto a empresas e entidades nacionais e internacionais como: Unesco, Banco Mundial, BID, ANEEL, ANA, Itaipu, entre outros. Premiado em 2011 pela International Association of Hydrological Sciences.

One Comment

  1. Tania Nóbrega

    Caro Prof. Tucci,

    Quero parabenizá-lo pelo blog, sensacional!
    Sou leitora assídua e acompanho seus trabalhos desde que fui ao Simpósio de Drenagem no IPH/RS.

    Os textos da ecohidrologia e da água virtual são fantásticos, essenciais para nossa atualizaçao dos novos conceitos de manejo das águas.

    Um grande abraço,
    Tania

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *